gototopgototop

Comissão de Cultura aprova Projeto de Lei que cria Dia Nacional do Cerco da Lapa

meyer_brizzacalvacalnte_pq

Leopoldo Meyer defende a criação do dia Nacional do Cerco da Lapa

 

 

A Comissão de Cultura da Câmara aprovou, na quarta-feira (07/05), o Projeto de Lei (PL) 6691/13, de autoria dos parlamentares Leopoldo Meyer (PSB-PR) e Rosane Ferreira (PV-PR), que institui o dia 9 de fevereiro como o Dia Nacional do Cerco da Lapa.

 

O Cerco da Lapa foi um episódio ocorrido após a Proclamação da República, em 1889, quando revoltados contra o então presidente Marechal Floriano Peixoto, denominados Maragatos, vindos do Rio Grande do Sul tentaram invadir o município da Lapa para, assim, chegar ao Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

 

No entanto, ao chegarem à cidade  da Lapa encontraram resistência dos moradores. Durante o episódio, que durou 26 dias, homens, mulheres e crianças defenderam o local. Pouco mais de 600 munícipes resistiram a mais de três mil soldados. Segundo historiadores, foi uma das guerras civis mais sangrentas da história brasileira, com o objetivo de proteger o modelo de governo em vigor até hoje.

 

De acordo com o texto do PL, poucos livros didáticos no País relembram o importante acontecimento. “Essa foi uma luta de civis e militares engajados em consolidar a República Brasileira. De um lado, aqueles que queriam mais autonomia aos estados; de outro, os que defendiam um governo centralizador”, explica o texto.

 

O Projeto de Lei ressalta ainda que o objetivo é demonstrar que o Cerco da Lapa foi crucial para a manutenção da recente república instalada no Brasil à época. “Instituir uma data comemorativa é incentivar a discussão sobre os fatos que formaram a nação, fortalecer a nossa história, relembrar e honrar muitos de nossos heróis, e, acima de tudo, compreender a nossa própria cultura”, segue o texto.

 

A data de 9 de fevereiro é uma referência ao dia do falecimento do General Antônio Ernesto Gomes Carneiro,que liderava a resistência Lapeana. A proposta, que tramita em caráter conclusivo, segue agora para análise da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).


Voltar